Esopo: Liberdade Para As Fábulas

7m ago
52 Views
14 Downloads
3.24 MB
5 Pages
Last View : 9d ago
Last Download : 19d ago
Upload by : Jamie Paz
Share:
Transcription

Projeto: leitura e produção de textoIndicação: Fundamental IIEsopo:liberdade paraas fábulasTexto de Luiz Antonio Aguiar eilustrações de Márcia SzéligaElaboração do manual: Clara de Cápua

A OBRA EM POUCAS PALAVRASHistórias enigmáticas protagonizadas por animais são velhas conhecidas dos jovens leitores (Gênero textual: Fábulas). Nesta obra,entretanto, eles poderão entrar emcontato com uma rica seleção de fábulas clássicas – como a da cigarra ea formiga, ou a da lebre e a tartaruga– cuja origem está situada na GréciaAntiga, mais precisamente no século VI a.C. (História). Paralelamenteà leitura das fábulas, será possíveltambém acompanhar fragmentosda misteriosa história daquele queé considerado o precursor deste gênero: o grego Esopo (Tradição oral).Entre narrativas de tom mais biográfico e fábulas livres de moral, Esopo:liberdade para as fábulas vai cativaros leitores, estimulando-lhes a imaginação e, principalmente, o pensamento reflexivo.Preparando a leituraO universo e a obraO que é uma fábula? Questione os alunos sobre esse gênero,buscando levantar as suas principais características, tais como apresença de personagens animaiscom traços humanos, bem comoa presença de uma “moral da história”. Será que alguém conhecealguma fábula que poderia recontar aos colegas? Em seguida,leia com a turma a apresentaçãoda obra, localizada na página 5.Além de trazer informações sobrealgumas fábulas da obra, o textotambém tece alguns comentáriossobre o seu autor Esopo, cuja realexistência é questionada até hoje.Pergunte aos alunos se eles conhecem alguma das fábulas citadas notexto. Quais? E o que dizer da maneira como a existência de Esopoé posta em dúvida? Que sensaçõesessa informação provoca? Após aleitura e o bate-papo, a turma certamente se sentirá mais intrigada ase aventurar pela obra!A capa e o títuloConvide os alunos a observarem atentamente as ilustrações decapa e de quarta capa do livro. Sena capa podemos observar umasérie de animais em torno de umhomem de costas, na quarta capavemos figuras antropozoomórficasque se espalham sobre uma gaiolano topo da cabeça de um homem.Que relações os alunos podem estabelecer entre as imagens? Seráque os animais inicialmente representados estão ganhando umanova forma de vida na quarta capa?Ou será que a quarta capa simulauma espécie de encenação teatralem que homens representam animais? Permita que os alunos levantem suas hipóteses livremente. Emseguida, questione-os sobre a expressão que compõe o título “liberdade para as fábulas”. É possível relacioná-la com a gaiola aberta quese encontra na quarta capa? Como?2

uma folha amarelada e pautada.Que sensações essas características provocam nos alunos? Seráque elas contribuem para queimaginemos que essas fábulassão muito antigas e que foramescritas à mão muito tempoatrás? Por quê?3. Fábulas: Todas as fábulas narradas por Esopo terminam demaneira misteriosa, o que deixamuitos de seus ouvintes bastante irritados. Abertas a muitasinterpretações, elas estimulam areflexão do leitor, que terá quese esforçar para absorver o seusentido. Assim, proponha umdesafio à turma. Ao longo daleitura, cada aluno deverá escolher duas ou três fábulas para sedebruçar mais profundamente,buscando elaborar, por meioda escrita, a sua mensagemLendo o livroAlgumas características merecemespecial atenção ao longo da leitura:1. Ilustrações: Todas as fábulas sãoapresentadas por uma elaborada ilustração que, além de darpistas sobre a narrativa que virá,brinca com a nossa imaginaçãoao mesclar homens com máscaras de animais, animais com rostos humanos e até mesmo commáscaras teatrais. Peça aos alunos que observem atentamenteas ilustrações, bus cando estabelecer paralelos com as respectivas fábulas.2. Diagramação: Vale ressaltar também a maneira como as fábulassão apresentadas com uma fonte cursiva, diferente da fonteusada para contar a vida de Esopo. Além disso, as páginas quenarram as fábulas apresentamuma marca d’água que simula3

Após a leituraimplícita. O importante é queos alunos se sintam livres parainterpretar as histórias e queconsigam resumir a sua próprialeitura em poucas palavras.4. Relação entre a fábula e a vida deEsopo: Muitas vezes, as fábulasnarradas oferecem uma reflexãoque será aplicada na vida de Esopo. Desafie a turma a buscar essasrelações, identificando as principais passagens nas quais as histórias contadas pelo sábio corcundaparecem servir à sua própria vida.5. Contexto histórico: Chame aatenção dos alunos para as passagens em que o autor oferecedados sobre a vida na Grécia doséculo VI a.C., trazendo informações sobre o sistema político, oscostumes, entre outros. Afinal,quais são as principais diferenças entre a sociedade de Esopoe a nossa? E as semelhanças?ReflexãoUma questão essencial da obraé a discussão em torno da chamada “moral da história”. Embora sejauma das principais característicasda fábula, o livro nos convida a refletir sobre o aspecto reducionistaque a suposta “moral” pode atribuiràs histórias. Essa discussão é particularmente forte no último capítulo, que se passa anos após a mortede Esopo. Ainda sobre essa questão,vale ressaltar que a última fábulado livro (p. 86) é a única que apresenta uma “moral” conclusiva. Qualé a opinião dos alunos sobre essamoral? Eles concordam com essainterpretação? Conseguem pensarem outra possível mensagem queestaria implícita na fábula? Qual?Por fim, questione os alunos a respeito da “moral da história”. Na opi-4

nião deles, esse elemento favoreceou desfavorece as fábulas? Por quê?Será uma bela maneira de potencializar os conhecimentos históricos e culturais da turma!História(gênero textual: enciclopédia)A Grécia Antiga é o pano de fundo da maior parte da narrativa.Assim, divida a turma em grupose peça-lhes que realizem uma pesquisa acerca dessa civilização tãoimportante para o mundo ocidental. Para guiar a pesquisa, proponhaalguns temas que podem ser distribuídos entre os grupos, tais como:a religião e os deuses do Olimpo,a origem da democracia, o teatroe as tragédias gregas, a origem dafilosofia: Aristóteles e Platão, entreoutros. Cada grupo poderá organizar um painel explicativo com asinformações coletadas. Imagens eilustrações são mais do que bem-vindas! Ao final, exponha todos ospainéis nas paredes da sala de aula.Tradição OralQue tal fazer o exercício de recontar algumas fábulas à maneiraque Esopo fazia? Cada aluno poderá escolher a fábula que maislhe chamou a atenção para estudar e preparar uma apresentação.Explique aos alunos que o importante não é decorar e declamar afábula, mas recontá-la com as suaspróprias palavras. Para tornar a atividade mais divertida, estimule-osa buscarem elementos que possam ajudá-los em suas apresentações, como peças de figurino,objetos simbólicos e instrumentosmusicais. Por fim, organize um pequeno sarau em sala de aula, ondetodos possam apresentar suas fábulas favoritas!SDS Editora de Livros Ltda.Rua Mourato Coelho, 1215 (Fundos) – Vila MadalenaCEP: 05417-012 – São Paulo – SP – Brasil – Tel./Fax: (11) 3032-7603www.brinquebook.com.br/escarlate – [email protected]

nero: o grego Esopo (Tradição oral). Entre narrativas de tom mais biográ - fico e fábulas livres de moral, Esopo: liberdade para as fábulas vai cativar os leitores, estimulando-lhes a ima-ginação e, principalmente, o pensa-mento reflexivo. A OBRA EM POUCAS PALAVRAS 2